Novo Cost Deployment: Como colocar em prática?
x

Queremos ajudar sua empresa

Fale conosco

  • Endereço

    CUBO - Alameda Vicente Pinzon, 54 - Vila Olimpia
    São Paulo / SP / Brasil

Blog

Cost Deployment: Como colocar em prática?

Cost Deployment: Como colocar em prática?

Quem trabalha no setor industrial está constantemente a procura de ferramentas e filosofias para reduzir desperdícios e maximizar a produtividade. Um dos métodos mais conhecidos para esse objetivo é o World Class Manufacturing (WCM), que traz um conjunto de técnicas de gestão baseados na filosofia lean.

Um dos pilares mais importante do WCM é o Cost Deployment. Por meio dessa metodologia, é possível dimensionar custos de perdas e, a partir daí, definir estratégias de melhoria para reduzir os desperdícios.

 

 

O que é Cost Deployment?

Cost Deployment, ou Desdobramento de Custos, é um método para unificar diferentes áreas que precisam de melhorias e mensurar os resultados de ações práticas tomadas para diminuir esses desperdícios.

Trata-se de uma ferramenta que permite classificar de maneira sistemática tudo aquilo que não tem valor agregado ou que gerou algum tipo de desperdício. Dessa forma, o Cost Deployment permite transformar as perdas em custos, quantificando em medidas físicas (horas, kwh, unidades, etc).

 

As matrizes do Cost Deployment

Para começar a aplicar de fato o desdobramento de custos, é preciso traçar as sete matrizes que compõem a sua essência:

1- Localização das Perdas (Matriz A)

2- Identificação das Perdas (Matriz B)

3- Valorização das Perdas (Matriz C)

4- Definição da Metodologia para eliminar perdas (Matriz D)

5- Custo/Benefício (Matriz E)

6- Plano de Ação (Matriz F)

7- Ligação entre Projetos e Budget (Matriz G)

 

Essa matriz vai orientar os projetos de melhoria contínua, permitindo identificar e quantificar as perdas e criar um plano de ação.

Vale frisar que, nesse contexto, “perdas” e “desperdícios” têm significados diferentes. O primeiro se refere a uma “entrada” não utilizada. É um trabalho que adiciona custo, porém não agrega valor. Para ilustrar, pense em um balde furado recebendo água de uma torneira. Provavelmente você nunca conseguirá enchê-lo e, portanto, terá uma perda.

Já o desperdício é a utilização excessiva de recursos de entrada para obter uma saída. No mesmo exemplo do balde, pense agora que ele está transbordando porque a quantidade de água é maior do que o balde pode fornecer.

 

 

7 Passos para aplicação do Cost Deployment

Com a matriz traçada, é a hora de começar a de fato tomar as decisões. Para isso, a lógica de percurso do Cost Deployment tem 7 passos. Nos quatro primeiros são feitos a identificação e o entendimento das perdas. No 5 e 6, é traçado um planejamento para a melhoria dos processos. E o último diz respeito ao acompanhamento dos resultados:

1- Identificação de Custos – Todos os custos da fábrica devem ser relatados aqui, identificando sua composição e estrutura. A partir disso, cria-se uma meta para a redução desses custos.

2- Identificação de Perdas – A partir da Matriz A, as perdas devem ser identificadas qualitativa e quantitativamente, analisando em que processos elas ocorrem.

3- Perdas Casuais e Resultantes – Separar e identificar a relação entre perdas casuais e resultantes (análise da Matriz B)

4- Cálculo das Perdas – Atuando na Matriz C, é preciso dimensionar todas as perdas, transformando-as em causas originais de custos.

5- Escolha de Métodos – Aqui é a hora de selecionar as metodologias (a partir do WCM) para remover as causas que estão gerando as perdas identificadas. Também deve-se estabelecer prioridades nesse plano (Matriz D)

6- Estimativa de Custos – É a hora de formular na prática um plano de ação (Matriz E), estimando custos para a melhoria dos processos e redução das perdas.

7- Implementação do Plano – Enfim, os planos de melhoria são estabelecidos e implementados, colhendo resultados e voltando ao passo 4 para recomeçar o processo.

 

Como a Novidá auxilia na implementação do Cost Deployment?

Conforme a metodologia do Cost Deployment, identificar as perdas dentro da operação é um dos primeiros passos para a otimização de processos. No entanto, essa nem sempre é uma tarefa fácil. Por exemplo, como saber quantas horas seus colaboradores de fato perdem em determinada tarefa?

Com a plataforma de geolocalização indoor da Novidá você pode ter essa resposta! Por meio de beacons, smartphones e sensores, monitoramos a movimentação de funcionários dentro do seu ambiente de trabalho.

Dessa forma, você consegue medir tempos e movimentos, verificar como é a rotina produtiva dos colaboradores, identificar gargalos e reduzir desperdícios.

Baixe gratuitamente nossos cases de sucesso e veja como empresas como Gerdau, FCA e Boticário já melhoraram a eficiência operacional de suas equipes!

 

voltar ao topo